Boiando em Moçambique

Desventuras de Rafael Moralez na África


1 comentário

Londrix… …Londrina

Tem florzinha saturada!

Fui convidado como autor para participar do Festival Literário de Londrina e foi mais ou menos isso que rolou!

Sobre Londrix… …sob Londrix!

Eu estava quieto aqui em São Paulo – capetal, se é que é possível ficar quieto nessa cidade, quando recebi uma mensagem da Nadia dizendo assim:

“…ô fiote, tem um festival literário aqui em Londrina, e se pá você vai ser convidado, tá afins?”

Craro Cróvis, vamolá! Londrina eu conheço de outros tempos e sempre é bom voltar e dar uma espiada como a cidade se comporta. E ela se comporta bem mal… …nada, estava o maior barato lá! Me mandaram um passagem para as 6:00 da manhã, o que me fez ir pro aeroporto as 5:00, pra isso tive que acordar as 4:00, pra ficar com sono o resto do dia.

Mas fiquei pensando, “Quem diabos vai estar na mesa de debate comigo?”, tinha a mínima idéia, imaginei que poderia ter os mais distintos tipos… …bom isso é um tanto óbvio, não poderiam me convidar para participar de uma mesa com trigêmeos escritores de auto-ajuda, se bem que isso seria bastante interessante! Enfim só me restava esperar… …e esperei! Quando cheguei no teatro encontrei o Losnak, figuraça, gente fina e um baita escritor também! Um povo com cara estranha e umas pessoas meio loucas, mas isso faz bem… …é necessário diria! Há, no sentido de existir, porque sempre que há, algo existe, algo há. Se há, já existe, ou como disse não-lembro-quem “se existe o nome do bicho, o bicho existe”. O unicórnio existe, mesmo sem ser necessariamente um equino de chifres comercializado no Canal do Boi. Adoro o Canal do Boi, é um antro virtual de boys e bois butinudos comprando e vendendo picanhas em potência. Agora devo voltar aos estudos, isso sempre me acontece. Essas coisas sempre me atormentam, mas mesmo assim eu persisto… …e isso te interessa?

Tenho para mim que é complicado de associar coisas boas ao Canal do Boi, fico imaginando o contra regra do Canal do Boi, a gentil senhora do cafezinho do Canal do Boi, a secretária sertaneja do Canal do Boi, o boi do Canal do Boi, ando meio aficionado com essa história toda.

Melhor que o Canal do Boi só a TV Senado, mas aí já é muita baixaria. Fico imaginando o contra regra da TV Senado, os bastidores da TV Senado, o cafezinho da TV Senado, o raio que o parta da TV Senado.

Vou assinar uma TV a cabo, ou como dizem os americanos “keibou”, adoro sotaques gringos, os americanos são os melhores. Os americanos são sempre os melhores. Em tudo, não importa o que. Tenho sorte de ter nascido na américa… …do sul, Deuzolivre ser um redneck, gosto mesmo é dessa lambança tropical, dessa malemolência e de toda brasilidade que me há em torno. Esse coqueiro que á coco, que é onde mato a minha sede. E o coqueiro pode dar mais alguma coisa que não coco?

Na mesa de debate tinha um povo legal pacas, nada a ver com trigêmeos albinos escritores de auto ajuda, estavam lá a Estrela Leminski, que é um baita garota inteligente e que faz símbolo de metal o que por si só já faz dela uma boa pessoa pra mim, estava também o Leprevost que é francês, ele não fala francês, mas ele é francês capiche!!! Ele tem um texto que é o maior barato e que me identifiquei um monte, não falei isso pra ele, mas vou mandar, esse escrito daí ele vai ficar sabendo. E também o Karleno Bocarro que é um baita escritor, nunca li uma linha dele, mas ele tem um cartão de visitas escrito assim “Karleno Bocarro – Escritor”, a coisa é séria ali viu! O tipo de sujeito que eu ficaria tomando cerveja e falando de coisa séria e bobagem a noite inteira!

O debate foi o maior barato até eu fiz pergunta pra mesa, afinal estava do lado de três escritores juramentados. No fim de tudo fomos tomar algumas poucas cervejas no restaurante Dona Menina, boa comida… …boa cerveja… …boas pessoas em volta… … até advogada de direitos autorais tinha lá na mesa caso alguém precisasse processar ou reclamar seus direitos. Se bem que não prestei muita atenção no que ela dizia, seu decote não me deixava pensar! Ela usava um sutinhém (gosto dessa palavra assim, e daí?) daqueles que a alça é transparente, e estava meio caída no ombro, a alça… …e isso me lembrou quando vou ao supermercado e a alça da sacola arrebenta… …vou parar por aqui porque isso não é um conto erótico com trigêmeos escritores transando com chiuauas, anãs albinas e alicates!

Depois nós íamos todos nos encontrar em um outro bar, que a Estrela ia cantar, o Leprevost ia tocar e o Karleno ia dançar, mas eu não fui… …a vida me levou pra outro lugar que eu não posso contar aqui… …mas foi divertido!

No outro dia acordei e pensei “Quer saber… …foda-se, sou escritor de hoje em diante!” e já pisei na sala dizendo, “…renasci em satã, sou escritor!!”, joguei fora a falsa modéstia e a incerteza! Bem melhor assim! Agradeço aos meus companheiros de mesa que não presenciaram a mudança, mas que são em parte responsáveis por ela devido às respostas que deram quando perguntei quando se sentiram escritores.

Depois passei um dia de ressaca, e fui assumir a bateria no show do Pedro e Nádia, a banda chama Encéfalos Acesos, é constituída de bateria no melhor estilo pedreiro, guitarra no talo e poesia na doce voz de Nadia Val… …passamos as músicas meia hora antes de tudo começar e foi o maior barato! Será que todo festival de literatura é assim?

Rafael Moralez, escritor (há, sentiu o drama da alcunha que me auto infligi)

Essa é a Brigitte, bonita ela né... ...é o dog da Malu... ...

Anúncios